Aguada de Saldanha –Viragem da história

A justificação para algumas viragens no curso da história são objeto de versões que se tornam mais populares quando associadas a incidentes de natureza mais dramática.

Uma questão que frequentemente se coloca, quando recordamos que os portugueses foram os primeiros a chegar ao Cabo da Boa Esperança, é o facto de não terem ocupado e colonizado uma das regiões estrategicamente mais importantes do mundo, e da Africa do Sul não ser também um país de língua lusíada, como as vizinhas Angola e Moçambique.

A versão mais generalizada está relacionada com um trágico episódio ocorrido no dia 1 de Março de 1510, no lugar Aguada de Saldanha ,hoje conhecido por Salt River, na cidade do Cabo.

Era frequente para a navegação portuguesa visitar a região do Cabo, desde que Bartolomeu Dias abriu o caminho para a descoberta da India, principalmente para se reabastecer de água, ou para negociar com os nativos a compra de gado.

Algumas dessas incursões deram origem a escaramuças com as gentes locais, causando mortos entre os mareantes Portugueses .

Na sequência de um desses recontros pereceu o Vice Rei da India, Dom Francisco de Almeida, que regressava do Oriente rumo a  Portugal quando os capitães da flotilha ancorada na angra, hoje Cidade do Cabo , resolveram mandar a terra uma expedição punitiva composta de 150 homens, para castigar os agressivos autóctones.

O confronto não foi favorável às armas portuguesas, que sofreram 65 baixas, entre as quais  o Vice Rei e 12 oficiais de alta patente.

Teria passado a navegação portuguesa a arribar muito mais a Norte, frequentando enseadas de população mais acolhedora, como a região de Inhambane em Moçambique, a que chamariam mais tarde a  “Terra da Boa Gente”.

Rotas das primeiras viagens Atlânticas Portuguesas

Não são esses porém os verdadeiros motivos da Africa do Sul não ser um país de língua portuguesa.

O primeiro motivo foi a utilização de rotas de ventos e correntes mais favoráveis para alcançar  a India, que fariam do Brasil a escala preferida da navegação portuguesa rumo ao Oriente .

O trajeto escolhido pelos nautas portugueses evitava as correntes frias e tempestuosa rota do Cabo das Tormentas, fundeando nos quentes e amenos portos brasileiros da Baía e Porto Seguro, sulcando depois o Atlântico Sul , até aportar à Ilha de Moçambique , última etapa antes de  Goa .

A outra razão, bem mais importante, era o comércio com as civilizações evoluídas do Oriente, que oferecia a rota das Índias, e que fazia do continente africano uma parada de insignificante interesse.

Só em meados do Século XVII, duzentos anos depois das descobertas portuguesas, é que os Holandeses, que rumavam a Batávia , depois de terem perdido o acesso aos portos brasileiros, reconquistados por Portugal  após a Restauração, decidiram mandar Van Riebeck criar na baia do Cabo um posto de abastecimento  para a sua navegação para a Malásia , que por seu turno tinham arrebatado a Portugal com a conquista da fortaleza de Malaca.

Nessa altura o ouro das Américas e as especiarias da India instigavam já a cobiça de outras nações europeias como a Holanda ,a Inglaterra e a França.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *